Show do Fito Paez em Porto Alegre – 13/09/2008

setembro 16, 2008 by

Nem mesmo o frio de oito graus da noite do último sábado impediu os fãs de Fito Paez saírem de casa. Seu show no Pepsi on Stage, agendado para as nove da noite, reuniu os admiradores desse argentino, celebrizado com seu hit “Mariposa Tecnickolor” em uma só voz.

Eu também estava lá. Apesar de termos chegado um pouco em cima da hora, não ficamos muito tempo na assustadora fila que se formava em frente ao ginásio. Enquanto eu ajeitava o cachecol no pescoço para escapar do frio, pude ouvir dois garotos comentando na fila “Bah, Fito Paez no sul é foda”. Essa grande ligação com o público gaúcho foi sinalizada pelo cantor, que disse que tocar em Porto Alegre é como tocar em casa.

O show não estava lotado. O clima mais intimista foi balançeado pela banda que acompanhava Fito, os argentinos “The Killing Burritos”, que deram uma levada muito rock’n roll e não deixaram a peteca cair. Fito abriu o show, com quarenta minutos de atraso, com uma canção do seu cd Rodolfo, “Ciudad de los pibes sin calma”, com um arranjo bem rock’n roll, prometendo uma grande noite. Poucos sabiam cantar, mas era evidente a admiração pela presença de palco do argentino, como sempre usando suas blusas de gola alta, além da marca registrada, os óculos de aro grosso. Os fãs da antiga animaram-se lá pela terceira música, quando ele engatou no piano a introdução de “11y6”. Era dificil não se emocionar com a linda canção de amor. Eu pensava “caramba, eu to vendo o Fito de pertinho”. E la seguia ele, na canção que conta do casal que por casualidade se encontrou em um café e desde então compartilhavam sua vida, desprentensiosamente, vendendo rosas em La Paz.

E nesse clima de tranquilidade foi seguindo o show. Eu estava espantada pelo astral sossegado do pessoal, já antevendo empurra-empurra, pois estava na pista. Que nada. O clima era de extrema paz. Alguns se queixavam da péssima acústica do Pepsi on Stage – problema evidente e mais que notório. Fito insitia nas músicas do novo cd, para divulgar seu último trabalho, mas o público não sabia cantar. Percebendo isso, ele tentou animar a galera, até mesmo prometendo uma rodada de tequila pra todos. Com seu perfil de seriedade argentina, Fito conversou um pouco com o publico, explicando que não falava portugues e não ia insistir nisso.

Eu estava esperando a minha canção favorita, Al lado del camino. Logo ele a tocou e me emocionei muito. Das canções antigas ele fez um mix, “Um vestido y um amor” e “Dar es dar”. Versões, como “Track Track”, dos Paralamas, e “Polaroid de Locura ordinaria”, do Nenhum de Nós, também tiveram vez.

Fito fez um intervalo no meio do show, deixando os Killing Burritos tomando conta do palco. Não decepcionaram: fizeram todo mundo dançar, com seu rock’n roll de primeira qualidade. Ta aí um banda bem bacana de se conhecer. Voltou, cantou mais algumas canções e voltou para o seu bis com o hit “Mariposa Tecknicolor”. O pessoal tirou o pé do chão. Completou com a versao completa de “Um vestido y um amor”. Tudo passou muito rápido ou o show realmente foi curto? Essa é a impressão de alguns fãs, da qual compartilho. Com esse gosto de quero mais, não resta outra alternativa além de estar presente sempre nós próximos shows – espero que seja logo, porque valeu muito a pena!
Segue a set list das canções tocadas no show, segundo a comunidade brasileira de Fito no orkut:

1- Ciudad de los pibes sin calma
2- Lejos en Berlin
3- Taquicardia
4- 11 y 6
5- Gente sin swing
6- Ambar violeta
7- Cable A Tierra
8- Medley: Un vestido y un amor/ Dar es dar
9- Coki e The Killing Burritos 1
10- Coki e the Killing Burritos 2
11- Naturaleza sangre
12- El cuarto de al lado
13- Trafico por Katmandú
14- Track track
15- Al lado del camino
16- Eso que llevas ahí
17- Polaroid de locura ordinaria
18- Enloquecer
19- Circo Beat
20- Tercer mundo
21- Medley: Circo Beat/ Tercer Mundo
22- Ciudad de Pobres Corazones
23- A rodar mi vida

BIS:
24- Un vestido y un amor (de novo)
25- Mariposa Tecknicolor

Ajude a natureza praticando ecossexo

setembro 16, 2008 by

Como você ajuda o Planeta?? Sempre pensou em ajudar, mas ainda não tinha visto uma forma de fazer? O Greenpeace do México divulgou 10 regras para fazer sexo de uma maneira ecologicamente correta. Podemos ver nisso um bom motivo para o sexo, temos que colaborar um pouco todos os dias. Sei que essa frase dá margem há várias interpretações, mas vamos falar sério.

Vi esse post aqui e não pude deixar de mostrar. São dez coisas que podemos fazer, não custam nada e ainda podem trazer satisfação:

1. Apague as luzes. Pode ajudar a criar um clima.

2. Frutas na hora H? Só se forem orgânicas!

3. Nem como afrodisíaco as ostras devem ser consumidas. Sua pesca estaria destruindo o ecossistema dos oceanos.

4. Recicle! Isso vale pra tudo nessa vida, inclusive pra embalagens de preservativos.

5. Use lubrificantes naturais, de preferência. A língua pode ser uma ótima aliada!

6. Evite objetos fabricados a base de petróleo, como roupas de vinil. Seja escravo da paixão, não do petróleo.

7. Tome banho acompanhado. Quer melhor maneira de economizar água?

8. Vai usar a cama? Melhor que ela seja feita de madeira de reflorestamento certificada.

9. Pra adeptos do sadomasô: esqueça objetos que fazem mal ao meio ambiente. Prefira aqueles certificados.

10. Faça amor, não faça guerra! 

Dá até pra rir com algumas delas. Será que já temos adeptos??

11 canções para amar mais

setembro 12, 2008 by

Esse post foi inspirado livremente no blog do Gustavo Gitti, o “não dois, não um”. Ele e um amigo resolveram sugerir uma playlist com aquelas canções românticas, que todo mundo nega, mas sempre gosta de ouvir. O título do post é “11 canções para amar melhor“. Eu adaptei para “canções para amar mais”.
A playlist compoe-se de onze canções, uma para cada etapa de um relacionamento: desde os momentos da paquera até a ruptura. Quando vi a idéia, achei-a muito boa, e pensei que meu plágio pode ser levemente perdoado, afinal, cada um cria a sua playlist.
Aqui vai a minha playlist, com o perdão do excessivo egocentrismo, para quem quiser acompanhar as faixas das quais comento:

[mixwit_mixtape wid=”677b5a7955f1e0b1261f2dbda72f9bbe” pid=”c71d704fbcadcb09750c21f32b97d76e” un=”azevedoregina” width=”426″ height=”327″ center=”true”]

Clique na fita para ouvir
1. Primeiro Encontro
Chasing Cars – Snow Patrol

Sim, você notou algo de diferente no ar. Não consegue se desvencilhar daquele olhar, sente-se meio desajeitado, nervoso, o que o valha. Como em um desenho animado, as luzes piscam “perigo!”. Você sente que está perdido: pintou um interesse e a pergunta inevitável é: “será que vai rolar?”. Hummm. Observando cada detalhe, você deixa a coisa acontecer, ou decide tomar uma atitude. Aqui, o jogo é livre e cada um age de forma diferente na hora da conquista. Uns agem mais passivamente e esperam, outros partem para o jogo da conquista aproveitando o prazer desse momento único, em que você não sabe muito bem no que vai dar, e  é exatamente esse o grande prazer da coisa. Independente do seu perfil, é inegável que acontece alguma dúvida ou receio.
Escolhi a música do Snow Patrol, Chasing Cars, que é o supra-sumo do romantismo. Gary Lightbody canta: “We don’t need anything, or anyone. If I lay here,If I just lay here, would you lay with me and just forget the world?” (Nós não precisamos de nada nem de ninguém. Se eu deitar aqui, se eu apenas deitar aqui, você deitaria comigo e esqueceria do mundo?). Lindo demais. A letra segue, onde ele fala que palavras são muito usadas mas não necessariamente sentidas. Ele diz que não sabe como, que está confuso, mas que precisa do olhar da pessoa para seguir adiante ” All that I am, All that I ever was is here in your perfect eyes, they’re all I can see.” (Tudo o que eu sou, tudo o que eu fui, está aqui em seus olhos perfeitos, e é tudo o que eu consigo ver). Tudo bem, traduzido fica ruim, mas fica aqui a primeira musica da coletânea mega-cafona para amar mais. E tem como não ser?

*Fiquei em duvida também em colocar a canção do grupo espanhol Jarabe de Palo”No se estar enamorado”. Essa musica lindinha conta de como o cara está confuso, porque se percebe apaixonado e não sabe como lidar com a coisa. Fica a dica, caso alguem queira procurar.

2. Conquista
Dress up in you – Belle&Sebastian

Os membros do Belle and Sebastian contam que a origem do nome do grupo vem de um romance francês, mas as fofocas contam que a verdadeira inspiração foi no romance entre Isabelle Campell(Belle) e Stuart Murdoch(Sebastian). A musica “Dress up in you” em si não é a mais romantica de todas, contando com ironia a historia de uma manicure observando a vida da amiga de virou estrela de uma banda de rock. Mas, por apenas uma estrofe, essa musica caiu na minha preferência :”If I could have a second skin, i’d probably dress up in you.” No coments.

3. Striptease
You can leave your hat on – Joe Cocker

Mazáaa! É chegada a hora, “vai que é tua tafareeeel”. A conquista já está realizada e é o momento de aproveitar. Difícil bater essa música, o clássico absurdo de Joe Cocker “You can leave your hat on”. Aproveite o momento e tire tudo, deixando apenas o chapéu (nossa!)

4. Fuck Music
En la cuidad de la furia – Soda Stereo

Imaginem a minha tristeza ao descobrir essa maravilhosa banda argentina e saber que eles terminaram. Soda Stereo, comandada por Gustavo Ceratti, está sempre na minha playlist e tem inúmeras canções excelentes, uma mais bela do que a outra, embaladas pela voz rouca desse belo argentino. A minha favorita é essa: “En la cuidad de la furia”, com o trecho “Me dejarás dormir al amanecer entre tus piernas, entre tus piernas… Sabrás ocultarme bien y desaparecer entre la niebla, entre la niebla…” A versão disponibilizada pelo mixtape nao é das melhores, segue o link do youtube onde Ceratti canta com Andrea Echeverri. É um espetáculo!
http://www.youtube.com/watch?v=Z-ljuV05jTU

5. Pós-Fuck Music
Tratame Suavemente – Soda Stereo

A banda argentina Soda Stereo é tão perfeita que não nos proporciona somente a “fuck music”, como a pós tambem! Momento de calmaria, onde tudo o que você quer é carinho, fica simbolizado em “Quiero que me trates suavemente…”

6. Casamento
Cotidiano – Chico Buarque (Seu Jorge)

Casamento? Bem, é chegada a hora de compartilhar as escovas de dente. Escolhi essa musica por ser um classico da MPB (infelizmente, a versao do Chico não rodava, ficou o seu Jorge mesmo). “Todo dia ela faz sempre igual, me sacode as seis horas da manhã”. Outra música que gosto muito é a da nova cantora Roberta Sá “Interessa?”, mas o mixtape me sabotou de novo. Ela canta que ele é o maridinho que ela pediu a deus, que é o benzinho que a trata com carinho. Bonitinho.
Essa categoria foi a mais dificil para mim de ser escolhida, porque não dividi ainda as escovas de dente com ninguem. Quem sabe um dia, né? (num futuro distante, please).

7. Para dançar
Out of control – She Wants Revenge

Essa musica me dá uma incrivel vontade de dançar. Ele conta que viu ela dançando na pista e  que ela queria ficar sozinha, mas ele não teve escolha senão insistir para dançar com ela.  “The lights, they glow sideways and up and down, the beat takes you over and spins you round, our hearts steady-beating, the sweat turns to cold, we’re slaves to the DJ and out of control.” Aqui ele fala das luzes que brilhavam e compara a batida da musica as batidas dos corações deles. Uau! Tem gente que pode enfartar por ai hein galera…

8. Viagem a dois
Artic Monkeys – 505

Tudo bem, a viagem é so na imaginação do cara. Mas já ta valendo, até porque o Artic Monkeys é uma excelente banda. Enjoy.

9. Amor à distância
Chega de saudade – João Gilberto

Só podia, né. O hino dos saudosos de todos os tempos. “Sem ela, não pode ser…” O ruim é que o mixtape me sabotou de novo e eu tive que colocar a versão da Maria Bethania. Parece que o João Gilberto estava com preguiça de cantar. hehehe.

Outra de amor à distância que gosto é “Nem um dia” do Djavan. “Não te esquecerei um dia, nem um dia, espero com a força do pensamento encontrar a luz que me trará você”. De cortar os pulos, evidentemente.

10. One-night stand
Vino Tinto – Estopa

Mais uma vez o rock español. A dupla Estopa nos brinda com canções com um ritmo contagiante. Uma noite e nada mais? Aplique o papo cafa do vocalista “Soy como un vino tinto, que si me tomas en frio engaño, y con los años me hago mas listo.” Com dez cervejas na cabeça, o cara já ta perdendo a sanidade e lutando contra o desejo de puxar a morena mais pra perto. Outra canção muito boa é “Destrangis in the night”. “Si te pruebo me envenas, se no freno tu nao frenas”. Eita!

12. Ex-namorados
Bah, aqui temos pano pra manga. Todo mundo usa a dor-de-cotovelo como inspiração para as canções melosas e tristes, como se cantar a dor pudesse aliviar um pouco o sentimento. A top top ficou com Against all ods, da banda Postal Service. Tudo bem, talvez tu não conheças a banda de Ben Gibbard, mas a musica foi imortalizada na voz do cafonérrimo Phill Collins! Sim! “You’re the only one Who really knew me at all.” O chutado se descabela, como posso deixar você partir quando é o único que me conheceu por inteiro? De chorar no cantinho…
Segue como escolha dois a banda da gauchada Engenheiros do Hawai, com seu hit “Pra ser sincero”. Quer coração mais partido do que dizer “não espero de você mais do que educação, beijos sem paixão?”. Gessinger segue dizendo que os dois tem os mesmos defeitos, sabem tudo a respeito um do outro. É meu amigo, coloca o violão nas costas e segue a estrada. Já era.
De bônus, como não poderia faltar, o mestre Cartola! O maior romântico de todos os tempos chora em “Deixe-me, preciso andar, vou por aí a procurar, rir pra não chorar”. O mixtape ficou devendo também a lindíssima “Peito Vazio”, onde o cara literalmente se afunda no copo  mas não consegue esquecer a amada. Ah o amor! Encontros e desencontros, alegria e sofrimento. E o pior, a gente começa de novo, sempre.

Bem-vinda Bruna

agosto 26, 2008 by

Bom, sou péssima para dar títulos. Sempre fui. Já na faculdade descobri essa minha deficiência, que pode ser notada nos meus pots, e eles sempre foram a última coisa a entrar nos meus textos.

Esse que está ai em cima se explica por si só (pelo menos é no que eu acredito).

Fui dormir ontem e vi que meu celular tinham 7 chamadas não atendidas (esqueci de tirar ele do silencioso quando cheguei em casa), junto com as ligações, que eram todas da Tati, tinha uma mensagem – “Amiga, rompeu a bolsa. To indo pro hospital”. Minha cumadre tentando me avisar que minha afilhada estava para nascer. Já mais de meia noite, tentei falar com alguém da família dela, mas nada!!

Hoje recebo uma ligação bem cedinho pra dizer que a BRUNA nasceu nessa madrugada. Segundo a Tati, a mãe, ela é cabeluda, calminha e tem uns olhos curiosos que ficam cuidando tudo o que está acontecendo.

Ainda hoje vou lá conhecer essa criatura, que mesmo sem ver, já amo. Este texto é para dar a Bruna uma calorosa recepção, ansiar por tudo de bom e lindo que o mundo pode dar a ela, desejar que ela jamais tenha sofrimentos ou tristezas, mesmo sabendo que é impossível, mas como o desejo é meu, quero é isso tudo mesmo pra ela.

Bem-vinda Bruninha!!!

Impressões curitibanas

agosto 22, 2008 by

Diretamente de CWB! Depois de uma viagem sonolenta de avião, mas muito boa (eu nunca tinha andado de avião), chegamos à cidade em um dia de sol lindo. Bem, para quem quase virou sapo em Porto Alegre, aquilo soava como muito promissor. Apos uma volta de carro, fomos procurar um hotel na área mais central, onde eu pudesse estar melhor acomodada, uma vez que os meninos tem negócios em Araucária, onde fica a Refinaria e é bem longe. Acabamos parando em um hotel no Bairro Centro Cívico, onde a diária parecia bastante interessante. Mas após fechada a estadia, fomos conferir a baita fria que era o hotel: um quarto pequeno demais, sem frigobar, o café-da-manhã bem tosco também. Ok, não temos frescura, é apenas para dormir, não é mesmo?

Ontem como os meninos estavam trabalhando, vim para o shooping Estação para fazer um lanche e passear. Ok, ser rata de shooping não é uma das minhas atividades favoritas – ainda mais sem grana pra gastar sem compromisso. Mas feito o passeio, pude contatar umas pelicuarilades da capital paranaense:

* Calçadas – todas em pedra tipo paralelepípedo. Como as mulheres curitibanas andam de salto? Aliás não vi nenhuma delas usando, e são todas muito feias.

*Homens da cidade – Não são cerimoniosos como os gaúchos. Fui literalmente abordada no shooping ontem (ok, deprimente, eu sei). Em Porto Alegre isso jamais aconteceria.

*Fato curioso: voltando ao super-mega-economico hotel: estava eu ontem voltando do shooping e peguei elevador com dois rapazes. Eles ficaram me olhando com um olhar estranho. Pensei “será que tá escrito na minha testa que eu não sou daqui”? Bem, eu tava achando tudo meio estranho. Ai ontem falando com o meu primo, ele me perguntou se eu não tinha vistos “pessoas estranhas” no hotel. Comentei que os caras eram bem estranhos, mas que foi impressao e o tempo de elevador foi muito rapido para tirar qualquer conclusão. Aí ele me contou que, comentando com um amigo em comum nosso, daqui da cidade, ele lhe informou que uma garota de programa usava as tão distintas instalações para recepcionar seus clientes. Nem vou comentar o nome do Hotel – so fica aqui registrado que jamais, jamais colocarei meus pes la de novo.

*A volta promete, vamos dar uma passeada de carro por Santa. A previsão do tempo não é muito animador, de chuva, mas vamos ver o que acontece.

Hasta!

Orkutiqueta

agosto 13, 2008 by

Em uma dessas noites de pseudo-inverno portoalegrense, lá estava eu, como de costume, indo para meu trabalho. Meu apartamento fica bem próximo ao jornal, o que facilita bastante  a minha rotina, que inclui uma caminhada leve, de três quadras, e pegar um ônibus (a maravilha da linha T1-D) que acaba resultando em quatro paradas apenas. O curto trajeto ajuda a diminuir o já caracterítico mau-humor de entrar no trabalho as oito horas da noite – o horário do happy hour, quando meus amigos e família estão chegando em casa.

Lamentações à parte, estava indo para o jornal essa semana, e entrei no onibus. Quase sempre é vazio, o que me permite sentar perto da janela e me perder nos pensamentos e imaginar como será minha rotina do dia (noite?). Estava imersa em meus pensamentos quando notei que estava sentada diante de um casal que discutia. A menina, muito bonita e bem arrumada, contava uma história para o rapaz que envolvia o orkut, o tão famigerado site de relacionamentos.

Pronto, nem que eu não quisesse escutar, lá estava eu imersa na história do casal do banco de trás do ônibus. A garota estava visivelmente irritada por conta de um recado de outra na página de recados do moço. Alternava termos como “aquela biscate”, “é vagabunda mesmo” e , como o belo clichê esperado, completou a história com um “isso não vai ficar assim, ela não perde por esperar”. Bem, mulheres podem ser bastante perigosas quando irritadas, e eu estava ali diante de uma promessa de vingança! Para quê novela das oito, não é amigos, quando a vida real pode ser muito mais divertida!
Já tentando dissimular o sorrisinho no cantinho da boca, estava la eu escutando – e porque não dizer, esperando o que o rapaz iria responder sobre aquela história toda. Ele deixou ela falar bastante, e completou dizendo “a guria é uma idiota, não esquenta com isso.” Ok, comportamento tipicamente masculino, tentando encerrar a discussão, notadamente irritado pelo que ele considerava uma “tempestade no copo de água” protagonizado pela sua “partner”.

Nesse momento eu já estava torcendo para a menina se acalmar, porque essa história não iria dar em nada – e pior ainda, ia estragar a noite do casal, que já imaginava eu que estava dirigindo-se a um happy hour com os amigos. Tudo bem, talvez nem estivessem, mas era o que eu faria – ainda mais acompanhada de um belo moço como aquele. Projeção, Freud explica.

Bem, claro que a menina não se acalmou. Diante do comentário extremamente “me fazendo de salame” do moço, alterou o tom de voz: “Se tu sabes que ela é uma idiota, porque você não apagava os recados dela? Desde antes do nosso casamento tem recados dela se atirando pra ti e tu não faz nada!Tu tinha que apagar, sim!”.

Bem, aqui entra um novo elemento na história: a “orkutiqueta”, a etiqueta do orkut. O universo virtual está cada vez mais espelhando o universo real, e comportamentos que antigamente eram exclusivos do mundo real – que inclui telefone, conversas ao vivo – é substituído pelo “encontro” virtual. Quem nunca conversou no programa MSN com mais de um amigo, em uma simulação de teleconferência? Aquilo deixa tonto até o mais experiente em internet, com varias pessoas falando ao mesmo tempo. Lembro, certa vez, que participei de uma conversa dessas, em que um amigo me adicionou por brincadeira. Nada menos que umas trinta pessoas estavam conversando ao mesmo tempo. Alguém se entedia? Claro que não. Pior foi ficar rejeitando os convites de pessoas que ficavam me adicionando depois desse papo, simplesmente querendo “aquela conversinha à toa”. O importante a ser observado é que o contato virtual jamais vai substituir o encontro real.

Ferramentas como orkut, msn e todos outros aparatos tecnológicos vieram complementar e agilizar o contato entre as pessoas. Mas substituir? Francamente, temos aqui um problema. É importante perceber a fronteira entre os dois mundos e não “misturar as estações”.

O orkut é uma excelente ferramenta de contato. Através dele, é possivel encontrar pessoas com quem não se convive mais, através dele podemos saber um pouco mais sobre as pessoas. Quem resiste à uma espiada no orkut do amigo novo ou da nova paquera? Através do índice de comunidades, podemos descobrir traços interessantes das pessoas, gostos, desejos. Embora seja necessário entender que aquilo é um espelho do real, não é o real em si. Muitas comunidades, fotos e recados contidos ali são somente brincadeira, não necessariamente refletem a opinião das pessoas envolvidas.

O problema fica expresso na página de recados pessoal. O orkut facilitou bastante as coisas  aumentando as configurações de privacidade: apenas amigos podem ler o que consta em sua página de recados. Muitas pessoas perdem considerável tempo espiando a página de recados do vizinho – e confesso, até eu faço isso às vezes. Por que? Pela curiosidade inerente a todo ser humano. Maldade, fofoca? Não necessariamente, depende do que você vai entender através do que lê. No caso de relacionamentos, a coisa fica ainda mais delicada: como resistir a uma espiadinha na página de recados do namorado? Os conflitos começam quando se encontram recados que não se espera “oi fulaninho, te adoro muito, saudades”, “adorei a festa ontem” (sendo que ele havia lhe dito que ficaria em casa). Ok, é difícil não ficar irritado, como a menina bonita que protagonizava a cena na famigerada linha T1. Porém, é necessário ter o discernimento de entender que aquilo não necessariamente é o real, apenas um espelho dele. Descobriu uma traição, uma mentira? Uma boa conversa sempre resolve as coisas. Se aconteceu mesmo uma traição e o seu namorado foi idiota demais para deixar uma coisa dessas escancarado na página do orkut, sinto muito, querida, mas acho melhor para os dois a fila andar. Porém, se tu tem a mania de desconfiar até da sua sombra, vai ser dificil nao se irritar com um recado carinhoso, mas que na verdade era apenas era uma mensagem atenciosa de uma ex-colega de colegio do seu namorado. Terapia já!

Apagar ou não apagar os recados? O menino do onibus não apagou nada. E para que? Tem algo a esconder? Ou a namorada acredita que ele não recebe elogios da mulherada às vezes? Claro que sim.

Portanto, o orkut não destrói relacionamentos, quem destrói são as pessoas envolvidas. As ferramentas virtuais agilizam os contatos, mas devem ser usadas com parcimônia. Nunca é demais definir algumas configurações de privacidade (eu mesma apago meus recados uma vez por semana, em média). Mas sem essa de uma etiqueta do orkut! Em vez de quebrar os pratos, desligue o computador e vá ver a pessoa que gosta. Ah, se eu tivesse tempo para um happy hour…

Dia dos Pais!!

agosto 13, 2008 by

Sei que estou atrasada alguns dias, mas ainda acho válido desejar um Feliz dias dos Pais para o meu pai, claro.

Nesse domingo reunimos toda a família, inclusive a Lê (minha irmã que mora no Rio de Janeiro) na casa do pai e comemoramos o dia dele, entregamos presentes e renovamos o “book” Lopes de fotos. Prometo colocar um registro fotográfico aqui assim que receber as fotinhos!!

Aqui só fica a saudade dos momentos em que passo junto com as pessoas da minha FAMILIA e todo o carinho de dar um abraço no meu pai sempre que possível e não só no segundo domingo de agosto!!

Não compro mais Hering

agosto 6, 2008 by

Bah to muito P… da cara!

Semana passada comprei uma calça na Hering do Praia de Belas. Quando fui usar ela, a costura ABRIU!!! Alguns podem até pensar que é por que a calça tava apertada, mas eu juro que não, ela é até maior!!! Cheguei a única conclusão possível, já que essa é a terceira calça que compro da marca e ela rasga (as duas primeiras foram pro meu marido), as roupas são vagabundas, de péssima qualidade.

Bom, eis que eu, indignada, fui trocar a bendita peça. Só que eu não queria outra calça, afinal essa já era a terceira que eu comprava e não prestava, queria meu dinheiro de volta. Eu paguei a vista e faziam quatro dias da data da compra. A coitada da gerente tentou fazer me levar outra peça igual, mas eu finquei o pé que não. Até que veio a sentença: ou levava outra peça (que devia ter a mesma qualidade duvidosa) ou ela não podia fazer nada!!!

Todo o discurso dela e os 15589623 milhões de telefonemas que ela deu demorammais de 2hs. Mais de cara do que antes, pedi que ela me desse um ofício da loja dizendo que eu tentei trocar a bendita peça pelo meu dinheiro de volta em menos de sete dias. Ela me respondeu que não podia fazer isso.

Ainda essa semana vou no Procon denunciar eles. Ah se vou!! Nunca me senti tão enganada e mal atendida na vida. E pior que quem trabalha com o público deve ser muito treinado, o que não foi o caso.

Durante às 2h que fiquei lá não fui grossa, não tratei mal ninguém, será que foi isso que faltou??

Bom, agora só sei que Hering NUNCA MAIS!! Nem se for de graça!!

Falando em seriados

julho 18, 2008 by

Nunca falei de seriados por aqui, mas a verdade é que sou adoradora de muitos. Gosto de vários estilos, os médicos (House), os que já acabaram (Gilmore Girls), os mais teen (Gossip Girl), os mais doidos (Lost), os que nos fazem trazer a inocência da infância com um pouco de humor (Pushing Daisies), entre outros que não acompanho com tanta fidelidade.

Agora sem dúvida alguma o meu preferido foi, é e sempre será o Friends. Aqueles seis amigos que viviam o cotidiano nas telas me encanta. Acompanhei pouquissímos episódios quando ele ainda era inédito, mas depois que cresci um pouco e passei a me reconhecer naqueles personagens, devorei a série toda.

Semana passada terminei o último episódio da 10º temporada. Continuo assistindo os episódios esporádicos que a Warner reprisa, mas quando assisti Monica, Chandler, Ross, Rachel, Joey e a Phoebe no último episódio me deu uma tristeza…

Quem não sente falta da amizade da Rachel e da Monica, que mesmo sendo as duas tão diferentes não tinham como se dar melhor. No episódio em que a Rachel arrumou as coisas para ir para Paris e deixou os documentos organizados pela ordem em que ela usaria… a Monica ficou realmente orgulhosa de ter ensinado ela a ser organizada. Ainda nas amizades, o Joey prefere pedir que o Chandler consiga o emprego do que desejar acertar os números da loteria.

As loucuras que aquela turma fazia no dia-a-dia não vai sair da minha memória nunca. Os grandes amores como o da Rachel e do Ross, os amores que nascem de um grande porre como o da Monica e do Chandler. As mentiras que eles se contavam, sem maldade (algumas vezes nem tanto) como o emprego da Phoebe em uma clínica de massagem ou as festas no terraço para o pessoal da novela do Joey.

Todos os flashes backs que apareciam que nos matavam de rir. Por esses motivos é que essa é a melhor série de todos os tempos.

Sabe quando eu me dei conta que tinha virado uma fã de carteirinha? Simplesmente quando passei a comparar ou procurar caracteristicas nas pessoas que vivem comigo que lembrassem aqueles seis amigos. E não é que a gente sempre conhece um Joey, um Ross, uma Rachel, uma Monica, uma Phoebe ou um Chandler.

Filé de peixe às natas

julho 15, 2008 by

Gente, uma hora ia ter que provar que gosto mesmo de cozinhar, né?

Eu e a Rê ficamos espalhando aos quatro ventos que cozinhamos e que gostamos disso, mas provar que é bom até agora nada!

Para provar que temos essa aptidão estou postando a primeira receitinha. Tirei ela do site do Anonymus Gourmet e troquei o bacalhau (ecaaaa!!) pelo filé de peixe.

Ingredientes:
1 quilo de bacalhau desfiado
300g de batata palha
350g de nata
1 cebola grande
3 colheres de azeite
1 litro de leite
100g de manteiga
2 colheres de farinha de trigo
100g de queijo ralado

Modo de preparo:

1 – Comece pelo bacalhau. Coloque-o em um recipiente e cubra com água. Deixe 15 minutos. Troque a água. Repita a operação 5 vezes ou até que o bacalhau esteja quase totalmente sem sal. É bom deixar um pouco, mas bem pouco. Prove um pedaço para ter certeza. (Essa etapa eu pulei pq usei um peixinho)
2 – Vamos ao molho branco. Bata no liquidificador o leite com a manteiga e a farinha de trigo. Leve a mistura para uma panela e, mexendo sempre, deixe engrossar. Desligue o fogo.
3 – Em uma frigideira coloque 3 colheres de azeite e a cebola, que deve estar cortada em tiras. Quando a cebola amolecer um pouco, acrescente a batata palha. Misture com cuidado e deixe refogar por uns 10 minutos em fogo baixo.
4 – Em um refratário grande, faça uma camada com metade da batata com a cebola. Por cima distribua o bacalhau sem o sal. Cubra com colheradas da nata, espalhando bem. Mais uma camada da batata com a cebola. Para cobrir tudo, o molho branco e para finalizar, o queijo ralado.
5 – Leve ao forno preaquecido por 30 minutos ou até dourar bem o queijo. Sirva em seguida com arroz branco e salada verde.

Essa dica é do Anonymus: Uma dica legal é tirar o sal da pele do bacalhau (que sobrou depois de desfiar) e ferver com água. Essa água pode servir para cozinhar o arroz. Uma delícia.

PS: Um lado deslumbrado. Enviei a recita para o site Rainhas do Lar e elas publicaram. Amo aquele blog!!!